23 de setembro de 2011

Um corpo encontra a sua profundidade fora dele

um corpo encontra a sua profundidade fora dele
como a palavra isolada ilude a linguagem.

mas é na palavra transitiva que nos amamos
no que passa e contradiz
no lugar onde o erro ainda subverte
a sua prova mais ténue.

respiro as nossas impossibilidades
como se o corpo fosse a libertação
de todas as coisas.


Sylvia Beirute
no blog Uma Casa em Beirute

14 de setembro de 2011

Tudo o que eu te dou

Eu não sei
que mais posso ser,
um dia rei,
outro dia sem comer.
Por vezes forte,
coragem de leão,
às vezes fraco,
assim é o coração.

Eu não sei,
que mais te posso dar,
um dia jóias,
noutro dia o luar.
Gritos de dor,
gritos de prazer,
que um homem também chora
quando assim tem de ser.

Foram tantas as noites,
sem dormir.
Tantos quartos de hotel,
amar e partir.
Promessas perdidas
escritas no ar,
e logo ali eu sei...

Tudo o que eu te dou,
tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
tu serás assim.
Tudo o que eu te dou,
tu me dás a mim,
tudo o que eu te dou.

Sentado na poltrona
beijas-me a pele morena
fazes aqueles truques
que aprendeste no cinema.
mais, peço-te eu,
já me sinto a viajar.
Pára, recomeça,
faz-me acreditar.

Não, dizes tu
E o teu olhar mentiu.
Enrolados pelo chão
no abraço que se viu.
É madrugada
ou é alucinação,
estrelas de mil cores
extasy ou paixão.
Hmm, esse odor
traz tanta saudade.
Mata-me de amor
ou dá-me liberdade.
Deixa-me voar,
cantar, adormecer.

Pedro Abrunhosa

9 de agosto de 2011

Maria Bethânia | Cântico Negro



Maria Bethânia

Cântico Negro de José Régio

Cântico Negro

Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
...Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!


José Régio

18 de julho de 2011

27 de maio de 2011

um rio longo e pesado como o véu de uma noiva

da minha cabeça escorre um rio
longo e pesado como o véu de uma noiva,
e tu, meu amor, nos meus olhos cerrados e no meu caminho
estendes-me o braço, e depois a tua mão que se abre
sem revelações e sem sombras,
não me diz se te libertas ou se desistes de me salvar.

há flores brancas no céu,
cordas presas no horizonte que arrastam a luz como o véu de uma noiva,
no tecido translúcido e solitário a minha alma esconde-se,
e pelas portas abertas, pelas casas vazias,
um hálito de sépia espalha-se
na hora da minha pequena e insustentável morte.

da minha cabeça escorre um rio
longo e pesado como o véu de uma noiva
e tu, meu doloroso e antecipado amor, és agora o meu fim.


alma


26 de abril de 2011

Desejo Infinitesimal

{que horas eram quando o tempo acabou?}
          {que horas eram quando deixaste de
poder reproduzir clandestinamente a explicação
          da conclusão do desejo infinitesimal?}
{que horas eram quando a razão de espírito
     substituiu a de ciência na ocupação do abraço?}
{que horas eram quando te adiantaste à felicidade
                         no dia que dilui
          na percepção multiforme da multidão?}
{que horas eram quando a boca simulou
           o silêncio com princípios aleatórios?}
{que horas eram quando deixaste que a alma
           somasse corpos e subtraísse outros?}
{que horas eram quando viver era deixar morrer
               e a solidão incomunicável?}
{que horas eram quando o tempo acabou?
                                que horas eram?}


Sylvia Beirute
do blog Uma Casa em Beirute

30 de março de 2011

Dorme, meu amor

Dorme, meu amor, que o mundo já viu morrer mais
este dia e eu estou aqui, de guarda aos pesadelos.
Fecha os olhos agora e sossega ― o pior já passou
há muito tempo; e o vento amaciou; e a minha mão
desvia os passos do medo. Dorme, meu amor ―

a morte está deitada sob o lençol da terra onde nasceste
e pode levantar-se como um pássaro assim que
adormeceres. mas nada temas; as suas asas de sombra
não hão-de derrubar-me ― eu já morri muitas vezes
e é ainda da vida que tenho mais medo. Fecha os olhos

agora e sossega ― a porta está trancada; e os fantasmas
da casa que o jardim devorou andam perdidos
nas brumas que lancei no caminho. Por isso, dorme,

meu amor, larga a tristeza à porta do meu corpo e
nada temas: eu já ouvi o silêncio, já vi a escuridão, já
olhei a morte debruçada nos espelhos e estou aqui,
de guarda aos pesadelos ― a noite é um poema
que conheço de cor e vou contar-to até adormeceres.



Maria do Rosário Pedreira

25 de março de 2011

...ignorar o mundo, ou esquecê-lo

"Em tempos, os meus gestos tiveram o rigor da abelha que rouba o pólen à flor. Com esses gestos quis construir um espaço para o silêncio. Uma morada onde fosse possível ignorar o mundo, ou esquecê-lo."

Al Berto
[na revista LER nº 19, Verão de 1992]

13 de janeiro de 2011

Metade

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste, e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também


Oswaldo Montenegro