23 de setembro de 2011

Um corpo encontra a sua profundidade fora dele

um corpo encontra a sua profundidade fora dele
como a palavra isolada ilude a linguagem.

mas é na palavra transitiva que nos amamos
no que passa e contradiz
no lugar onde o erro ainda subverte
a sua prova mais ténue.

respiro as nossas impossibilidades
como se o corpo fosse a libertação
de todas as coisas.


Sylvia Beirute
no blog Uma Casa em Beirute

14 de setembro de 2011

Tudo o que eu te dou

Eu não sei
que mais posso ser,
um dia rei,
outro dia sem comer.
Por vezes forte,
coragem de leão,
às vezes fraco,
assim é o coração.

Eu não sei,
que mais te posso dar,
um dia jóias,
noutro dia o luar.
Gritos de dor,
gritos de prazer,
que um homem também chora
quando assim tem de ser.

Foram tantas as noites,
sem dormir.
Tantos quartos de hotel,
amar e partir.
Promessas perdidas
escritas no ar,
e logo ali eu sei...

Tudo o que eu te dou,
tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
tu serás assim.
Tudo o que eu te dou,
tu me dás a mim,
tudo o que eu te dou.

Sentado na poltrona
beijas-me a pele morena
fazes aqueles truques
que aprendeste no cinema.
mais, peço-te eu,
já me sinto a viajar.
Pára, recomeça,
faz-me acreditar.

Não, dizes tu
E o teu olhar mentiu.
Enrolados pelo chão
no abraço que se viu.
É madrugada
ou é alucinação,
estrelas de mil cores
extasy ou paixão.
Hmm, esse odor
traz tanta saudade.
Mata-me de amor
ou dá-me liberdade.
Deixa-me voar,
cantar, adormecer.

Pedro Abrunhosa