23 de setembro de 2011

Um corpo encontra a sua profundidade fora dele

um corpo encontra a sua profundidade fora dele
como a palavra isolada ilude a linguagem.

mas é na palavra transitiva que nos amamos
no que passa e contradiz
no lugar onde o erro ainda subverte
a sua prova mais ténue.

respiro as nossas impossibilidades
como se o corpo fosse a libertação
de todas as coisas.


Sylvia Beirute
no blog Uma Casa em Beirute

1 comentário:

Gilberto Geraldo disse...

Gostei deste Blog! vou passar mais vezes, Parabéns!