3 de agosto de 2010

do teu nome

sobra de todo o silêncio
o raro acorde
do teu nome

a que solidão altíssima
me entregas
quando te deixas morrer assim
no abraço faminto
do tempo?


gil t. sousa

Sem comentários: