5 de agosto de 2010

Cinge-se a vida ao diâmetro do pescoço

cinge-se a vida ao diâmetro do pescoço,
nas minhas mãos tenho os teus ombros,
envoltos em pele, inesperados,
nas tuas costas o mundo silencia
e trago-te à vida,

as minhas mãos são um berço
de intenções assimétricas e perfeitas,
e quando os segundos se adensam no perímetro
desconcertante do teu olhar, o instinto demora-me,
como duas ilhas os meus joelhos nascem e
afastam-se desafiando o suor frio da solidão,
desalinhando os braços num rasto de palavras desacordadas,


cinge-se a vida ao diâmetro do pescoço,
mas sobra-nos espaço,
sobra-nos amor...



alma

Sem comentários: