Avançar para o conteúdo principal

Três Mulheres, poema a três vozes (VII)

PRIMEIRA VOZ:
A madrugada resplandece no ulmeiro grande junto à casa.
As andorinhas estão de volta. Soltam gritos como foguetes a estoirar.
Ouço o passar das horas
A crescer e a morrer nas cercas. Ouço o mugir das vacas.
As cores tingem-se de plenitude, e a palha húmida
Fumega ao sol.
Os narcisos abrem faces brancas no pomar.

Estou calma. Estou calma.
Estas são as cores claras e alegres do quarto das crianças,
Os patinhos que falam, os cordeirinhos risonhos.
Voltei a ser simples. Acredito em milagres.
Não acredito nessas terríveis crianças
Que me atormentam os sonhos com os seus olhos em branco, as suas mãos sem dedos.
Não são minhas. Não me pertencem.

Meditarei sobre a normalidade.
Meditarei sobre o meu filhinho.
Não anda. Não diz ainda uma palavra.
Está ainda enfaixado de branco.
Mas é rosado e perfeito. E sorri tão frequentemente.
Decorei o seu quarto com grandes rosas,
Pintei coraçãozinhos por toda a parte.

Não quero que ele seja excepcional.
É a excepção que interessa ao demónio.
É a excepção que causa os grandes tormentos
Ou que pousa no deserto e faz sofrer o coração da mãe.
Quero que ele seja vulgar,
Que me ame como eu o amo,
E que case com o que quiser e onde o desejar.


Sylvia Plath
traduzida por Ana Gabriela Macedo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"(...) Mas quem te disse que é proibido estar triste? A verdade é que, muitas vezes, não há nada mais sensato que estar triste (...)"

Héctor Abad Faciolince
Receitas de Amor para Mulheres Tristes

A tela contemplada

Pintor da soledade nos vestíbulos
de mármore e losango, onde as colunas
se deploram silentes, sem que as pombas
venham trazer um pouco do seu ruflo;

traça das finas torres consumidas
no vazio mais branco e na insolvência
de arquiteturas não arquitetadas,
porque a plástica é vã, se não comove,

ó criador de mitos que sufocam,
desperdiçando a terra, e já recuam
para a noite, e no charco se constelam,

por teus condutos flui um sangue vago,
e nas tuas pupilas, sob o tédio,
é a vida um suspiro sem paixão.


Carlos Drummond de Andrade

Pernoitas em Mim

pernoitas em mim
e se por acaso te toco a memória... amas
ou finges morrer

pressinto o aroma luminoso dos fogos
escuto o rumor da terra molhada
a fala queimada das estrelas

é noite ainda
o corpo ausente instala-se vagarosamente
envelheço com a nómada solidão das aves

já não possuo a brancura oculta das palavras
e nenhum lume irrompe para beberes

Al Berto