20 de julho de 2007

Para tornar legível a emoção

Agora, que uma luz difusa me fascina
retenho a idade em que não ousava
fazer do coração um lugar de conflito.
Escoa-se, de meus lábios,
sem aviso prévio,
um excessivo odor a maresia,
como se o verão atasse em meu pescoço
a sombra das dunas e todos os ventos
afugentassem a inevitabilidade da morte.
É de musgo, a vertigem
onde demoro as mãos,
para tornar legível a emoção.


Graça Pires
Ortografia do olhar

1 comentário:

Mateso disse...

O tempo vivido... réstia de odores..
que o verão viu guardar.
Lindo! Bj.