11 de julho de 2007

No tempo divido

E agora ó Deuses que vos direi de mim?
Tardes inertes morrem no jardim.
Esqueci-me de vós e sem memória
Caminho nos caminhos onde o tempo
como um monstro a si próprio se devora.


Sophia de Mello Breyner Andresen

Sem comentários: